voltar

A IMPORTÂNCIA DO ESG PARA O DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS

20.06.2022
A IMPORTÂNCIA DO ESG PARA O DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS
Por Thiago Tristão, VP de Riscos Corporativos da MDS Brasil e CEO Brasil da MDS Reinsurance Solutions 


Embora relativamente recém-iniciado no Brasil, o tripé ESG (em português, ASG - Ambiental, Social e Governança) foi cunhado em 2004, pelo Pacto Global da ONU em parceria com o Banco Mundial. No relatório Who Cares Wins (Quem se importa, vence), era estabelecido o objetivo de integrar práticas mais sustentáveis ao mercado de capitais.  

Neste momento, foi definido que o mercado financeiro tem um papel essencial na sustentabilidade ao incentivar e financiar boas práticas, tornando de bom gosto o olhar para estas questões tão urgentes na sociedade.  Desde então, empresas com políticas ambientais e sociais ganham maior destaque para agentes reguladores e investidores, fortalecendo suas instituições enquanto engajam causas importantes. 

Impacto do ESG no resultado das companhias 


Durante a Brokerslink Conference 2022, que aconteceu no Porto, o ESG esteve em voga. A conferência, que se deu em Portugal, nos dias 25 a 27 de maio, reuniu mais de 300 líderes de todo o mundo da área de Seguros, Resseguros e Gestão de Risco e chamou a atenção para o painel "Profitable Caring”, liderado pelo CEO do Grupo Ageas Portugal, Steven Braekeveldt. Em seu discurso, o líder reiterou que "não há nada de errado em ganhar dinheiro. É tudo sobre como você ganha dinheiro. Não há nada de errado em querer ter poder. É o que você faz com esse poder que pode fazer a diferença”. E este é, de fato, um dos pensamentos que se encontram no alicerce da discussão em questão. 

Segundo levantamento1 feito pelos estudiosos Eccle, Ioannou & Serafeim (2014), desde 1990, as 90 companhias analisadas que adotaram políticas ESG performaram melhor no mercado acionário e tiveram melhores resultados financeiros, em comparação às que não estavam alinhadas com as práticas orientadas por essa tríade. Outro trabalho2, dessa vez dos autores Shan, Fu & Zheng (2016), comprovou que empresas com maior igualdade de gênero corporativa apresentam melhores índices de produtividade no trabalho e, consequentemente, elevam seu retorno acionário. Para os estudiosos, há uma correlação entre abraçar políticas de diversidade e reter mais funcionários talentosos, elevando também a criatividade.  

Para investigar a relação entre ESG e desempenho financeiro, verificando se essas performances estão ou não associadas a políticas ambientais e sociais, Friede, Busch & Bassen3 (2015) analisaram mais de 2 mil estudos sobre o tema. A partir da investigação, constataram que 90% afirmam que "há correlação neutra ou positiva entre fatores ASG e desempenho financeiro, sendo que 63% evidenciam que existe correlação positiva [...] e apenas 8% encontraram correlação negativa”.  

O papel das soluções de riscos e seguros 


Neste cenário, o Relatório de Sustentabilidade 2020 da Susep demonstrou que 90% das empresas levam em consideração as concepções do ESG, mas apenas 40% delas incluem critérios de sustentabilidade na gestão de seus investimentos, processo e aceitação de riscos. Os números não surpreendem, afinal, a mobilização do universo do Risk Management em torno desse tema é, de certa forma, recente. A CNseg, inclusive, é um dos primeiros órgãos do segmento a tomar a frente e apoiar um estudo sobre riscos Ambientais, Sociais e de Governança junto aos pesquisadores do Programa de Planejamento Energético da Coppe e da Coppead da UFRJ. A pesquisa, que tem ênfase em riscos climáticos, terá seus resultados revelados por meio de um artigo científico esperado para meados do segundo trimestre de 2022. 

Na vanguarda desse mindset, a CNseg tem aberto os olhos de seguradoras e corretoras para ameaças que já estavam sob sua alçada, mas, até então, eram tratadas e mitigadas de forma isolada através de seguros como Riscos Ambientais, Seguros Paramétricos, Danos e Responsabilidades, D&O, E&O, Cyber Risks e outros. Neste novo contexto, o ideal é que cada um desses conceitos seja enquadrado em um modelo macro de gestão que contemple também as questões correlatas a eles, tais como transparência e ética corporativa, bem-estar dos colaboradores, longevidade da população, proteção à biodiversidade e ao ecossistema, e muito mais. É chegada a hora de criar um banco de dados mais holístico e capaz de gerar insights ricos para a sociedade, e não apenas indicadores focados em prêmios segmentados sob administração. 

 

Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, você está consentindo o seu uso.Saiba mais

Compreendi